top of page

Secex conclui primeira investigação de origem do setor calçadista

Foi publicada desta segunda-feira, no Diário Oficial da União (DOU), a Portaria Secex n° 30/12, que encerra a investigação de origem não preferencial para calçados importados da Malásia, feita pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

A investigação concluiu que não foi possível comprovar a origem dos produtos que seriam exportados para o Brasil, classificados na Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) 6402.91.90 e 6402.99.90, da empresa malaia Innovation Footwear Manufacturer, uma vez que o exportador e produtor não forneceram informações essenciais na fase de instrução do processo.

Com isso, foi indeferida a licença de importação da empresa malaia para a entrada no Brasil dos calçados, no valor de aproximadamente US$ 400 mil. Novas solicitações de licenças de importação sobre os mesmos produtos da empresa malaia investigada serão automaticamente indeferidas até que a mesma possa comprovar o cumprimento das regras de origem não preferenciais da legislação brasileira. “A conclusão deste processo demonstra o reforço do governo brasileiro nas ações em defesa da indústria nacional”, afirmou a secretária de Comércio Exterior do MDIC, Tatiana Lacerda Prazeres.

A secretária explicou ainda que o efeito da investigação vai além do indeferimento da licença de importação. “Observamos que, neste ano, houve queda expressiva das importações do produto da Malásia, que somaram US$ 9 milhões, no primeiro semestre de 2011, e que caíram para US$ 153 mil, no mesmo período de 2012, o que equivale a uma redução de quase 6.000%”, disse. Os calçados exportados pela Malásia, no ano de 2011, para o Brasil totalizaram US$ 14,426 milhões e o país foi a quarta maior origem das importações brasileiras do produto, atrás apenas de Vietnã, Indonésia e China.

Fonte: Export News

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

GOVERNO REDUZ IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO DE VÁRIOS PRODUTOS

Produtos como arroz, feijão, carne e massas fazem parte da lista. O governo federal decidiu pela redução de 10% nas alíquotas do imposto de importação sobre vários produtos. O objetivo é, segundo o Mi

コメント


bottom of page